“Resenha”: Comer Rezar Amar

“Resenha” porque vou falar mais a minha opinião sobre o filme inteiro, do que fazer um resenha. Sim, eu só assisti “Comer Rezar Amar” agora… Eu sei que o filme é velho e que o mundo inteiro já viu, que ninguém mais quer saber dele, porém, eu assisti e quis falar dele aqui. Eu não sou uma pessoa que gosta muito do gênero romance, sempre acho que tem muito clichê envolvido, muita história meio pombo, nada que me prenda, esse foi o motivo que eu demorei tanto pra assistir esse filme. Numa tarde tediosa das minhas férias o netflix me ofereceu esse filme e pensei “por que não?”. 6 anos depois da estréia, eu decido fazer uma resenha. Só pra afirmar aqui, qualquer coisa que eu disser não pode ser considerado spoiler, já que tem 6 anos que foi lançado, sou livre 🙂

Julia Roberts é Elizabeth Gillbert, uma mulher que tem tudo o que a sociedade diz sobre vida perfeita: uma carreira, uma casa e um marido. Porém, ela não se vê satisfeita com a vida que leva, sente que falta alguma coisa e decidi pedir o divórcio e viajar buscando se conhecer. Antes de começar sua viagem pelo mundo, ela ainda conhece um ator de teatro que é o deus James Franco, que é alguns anos mais novo e assim não consegue um relacionamento que ela se sinta confortável.

Após terminar o namoro, ela embarca para Itália. Lá ela conhece uma mulher que a apresenta ao tutor, que a ensina italiano. Passa seus dias curtindo cada momento da viagem, conhecendo os lugares mais lindos do país, comendo as melhores comidas, aprendendo a língua e os incríveis gestos italianos. É uma parte incrível do filme, o modo que mostram Roma é lindo demais, onde prova o prazer da gastronomia local,sem falar que me ajudou a decidir se eu queria aprender italiano ou francês hahahah Mas enfim, ela mostra como é uma mulher independente que sabe aproveitar os momentos da vida. Desde o início já tinha planejado ficar um tempo com os italianos e depois ir para Índia.

Julia Roberts as "Elizabeth Gilbert" in Columbia Pictures' EAT, PRAY, LOVE.

O momento da Índia é sensacional! Todo poder espiritual que esse país tem é divino. Elizabeth vai exatamente para isso, decidi passar um tempo rezando e cuidando mais de seu espírito. Ela se entrega totalmente a isso, dedica seu tempo inteiro aos templos, meditando, precisa levar uma vida muito mais simples do que era acostumada, rezando e ajudando no local. É uma parte importante do filme, quando ela estava em Nova Iorque dizia que não estava sentindo nada, Nem paixão, nem entusiasmo, nem fé, nem emoção. absolutamente nada. Esse é um dos piores sentimentos que alguém pode ter, quando simplesmente para de sentir, ocasionalmente, temos dias assim, pelo menos eu, sei o quão horrível é sentir tudo vazio, então, ir à um local para encontrar a si mesmo, encontrar sua fé e reservar um tempo pra isso é essencial.

Durante a dramaturgia são lançadas muitas frases de efeitos bem legais, que nos fazem refletir e eu amo isso. No meio de um diálogo uma frase que me faz pausar e pensar, eu simplesmente amo isso. Como por exemplo: “Para chegar ao castelo, você precisa nadar pelo fosso.”  “Se houve sofrimento é porque você tentou.”  “Olhe o mundo através do seu coração, assim encontrará Deus.” “Aprenda a lidar com a solidão. Aprenda a conhecer a solidão. Acostume-se a ela, pela primeira vez na sua vida.”

O filme estava bem interessante, ela sendo independente, reservando seu tempo para si mesma e ainda ajudando outras pessoas necessitadas, até que ela conhece um homem, que eu odiei tanto que esqueci o nome dele. No começo, foi até legalzinho os dois juntos, ele também passava por alguns problemas, tinha se encontrado nela e todo essas coisinhas. Só que num momento em que ela se sentiu pressionada, ele surtou. Surtou muito! Meteu a grande frase “Você tem que decidir agora, me ama ou não?”… Mano, eles tinham acabado de se conhecer, ela estava curtindo tudo isso, a paz e tranquilidade que tinha encontrado, e o macho querendo que ela largasse tudo para ficar numa ilha com ele (????????)

Ela atravessa o mundo para poder sentir o poder da oração na Índia e o cara querendo que ela largasse tudo por alguém que tinha acabado de conhecer? Na hora, ela foi embora, voltou ao templo, eu fiquei contente, achei que ela ia voltar para Nova Iorque sendo outra pessoa, equilibrada e poderosa, até que ela volta lá pro cara e vai pra ilha… Sentiram meu desgosto por esse final? A mulher passa um ano viajando, aprendendo a se valorizar, a valorizar sua própria companhia e larga tudo por um cara louco, psicopata e controlador.

Filme interessante – Final bem merda.

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s